Não acredito no fracasso

FuckUpNights-3-754431Tive o privilégio de participar o mês passado num evento fabuloso chamado “Fuckup Nights”, na Reitoria da Universidade de Lisboa.

É um evento dedicado a empreendedores, em que diversos oradores convidados são desafiados a falar das suas histórias de fracasso e superação.

Eu tive o gosto de ir lá contar a minha história, e explicar porque não acredito no fracasso.

Dedico esta palestra à minha mãe e a todos com quem tanto aprendi.

Podem ouvi-la aqui. Enjoy 🙂

Felicidade à prova de bala…

happinessEscrevo este post após quase um ano de silêncio aqui no Mentes Brilhantes. Este blog esteve em silêncio não por não haver nada para dizer, mas sim porque tudo o que aconteceu neste ano não deixou tempo para escrever nem uma linha que fosse.

Este foi de facto um ano absolutamente extraordinário, seja em termos de desafios, seja em termos de peripécias, seja em termos de adversidades, mas também de oportunidades. O ritmo frenético a que tudo acontece chega a ser muitas vezes avassalador, mas duvido que a vida tivesse tanto sabor se não fosse esta enorme correria. Porque é uma correria que se faz com gosto. De outra forma seria bem menos interessante.

E este gosto deriva das nossas realizações e do sentido que atribuímos ao que fazemos. O ser humano tem fome de sentido, tem fome de propósito, tem uma enorme necessidade de ter uma boa razão para se levantar todos os dias de manhã com vontade de fazer coisas. Como diria o admirável Carlos Coelho, CEO da Ivity Brand, todos temos vontade de deixar a nossa marca no mundo… e é verdade, estamos geneticamente fadados para isso 🙂

Começo e termino este post a partir de Luanda, destino que esteve presente no meu roteiro todos os meses deste ano. Terra de oportunidades e de esperança, simboliza uma Angola que se está a reinventar, com uma energia e uma alegria admiráveis, especialmente vindas de um povo que tanto sofreu nos quarenta anos de guerra que viveu. É impressionante ver a alegria e determinação com que aproveitam as virtudes da paz e do desenvolvimento económico, apostando no desenvolvimento e formação dos seus quadros. É um enorme privilégio contribuir para este esforço coletivo.

Escrevo este post dias depois de concluir o meu doutoramento, uma jornada de sete árduos anos de trabalho, esforço, dedicação e enorme elasticidade organizativa. Devo este sucesso a uma enorme quantidade de pessoas (amigos, familiares, colegas) que me apoiaram, que me deram condições muito favoráveis ao estudo e ao desenvolvimento dos trabalhos de investigação, que foram enfim a minha rede de suporte social e pessoal. Foi um verdadeiro trabalho de equipa e marca um dos pontos altos (verdadeiramente inesquecíveis) de 2014!

É curioso ver como as nossas expetativas são influenciadas pelas experiências e expetativas alheias… todos me diziam que as provas públicas de doutoramento, pela sua importância e solenidade, eram um momento de enorme tensão, de enorme pressão, até de sofrimento! Pois bem, graças aos meus providenciais orientadores, esse momento inesquecível foi acima de tudo um momento de alegria e enorme fruição intelectual, cuja recordação gratificante eu guardo, praticamente de todos os imensos minutos ao longo dessas mais de duas horas de épicas provas!

Por toda a experiência, paciência, sabedoria, confiança e amizade, o meu imenso obrigado à Adelinda e ao Nuno. Não poderia ter tido melhores orientadores e mentores. Espero ter-vos daqui para a frente como parceiros e patrocinadores de investigação. Como disse na defesa da minha tese, mal posso esperar para prosseguir nesta apaixonante auto-estrada do conhecimento científico .-)

Mas se 2014 foi profícuo em marcos significativos de realização positiva e com significado, foi também campo fértil para enormes deceções. E quando falo em deceções não falo em infortúnios. falo efetivamente em pessoas que nos desiludem completamente, que nos mostram como nos podemos enganar em absoluto relativamente aos valores e natureza moral de indivíduos com quem privamos, com quem nos relacionamos numa base regular ou numa base de enorme intensidade de partilha e/ou esforço conjunto.

Estou por isso a falar de deceção no sentido “telúrico” do termo. Aquele tipo de deceção que nos faz questionar a nossa capacidade de fazer juízos críticos, apreciações e valorações sobre os outros, tal foi a escala do engano em que nos deixámos cair. Estou a falar daquele tipo de deceção que nos faz sentir pequenos e irrelevantes, que nos faz sentir agoniados e mesmo com a sensação de que sofremos um enorme, imenso e implacável soco nos estômago, daquele que nos tira o ar. Conhecem a sensação? Pois é… não é nada agradável!

Ora bem, em 2014 esta sensação foi-me familiar algumas vezes… 

Curiosamente, a forma como decidi enfrentar esses momentos foi diferente da forma como os enfrentaria no passado. E esta evolução acabou por constituir quase uma surpresa para mim, e foi seguramente uma aprendizagem muito importante.

Há alguns anos atrás este tipo de deceção seria processado por via da raiva e do ressentimento. Teria sido fonte de um tipo de aprendizagem exclusivamente defensiva, num registo do tipo “aqui está o tipo de gente e o tipo de coisa com a qual nunca mais vou ser enganado”. E ficar-me-ia por aí.

Acontece que esta abordagem é curta e pouco saudável. Como todos os estudos sobre felicidade demonstram, a proliferação de sentimentos e emoções negativas enfraquece o nosso sistema imunitário, logo reduz potencialmente a nossa saúde e os anos de vida que nos restam. Por outro lado, a proliferação de sentimentos de raiva reduz fortemente o nosso potencial cerebral, o que limita o nosso discernimento e a nossa capacidade de aprendizagem. Sobre estes aspetos, já escrevi nos meus posts Gestão da Felicidade, Como (não) agatalhar a malta… e A Mente que nos Move.

Por isso mesmo, decidi lidar com estas deceções e com as pessoas que me dececionaram de forma diferente. Decidi que o foco seria no meu processo de crescimento e nas aprendizagens que poderia retirar daí. Perante as situações de deceção, habituei-me a uma disciplina férrea de reflexão e autocrítica que obedece ao princípio de responder (sempre) às seguintes questões:

  • o que podes aprender com esta situação?
  • o que podes fazer melhor no futuro para prevenir este tipo de deceção?
  • o que deves evitar fazer no futuro para prevenir este tipo de deceção?
  • o que deves continuar a fazer no futuro, mesmo com o risco de te voltares a dececionar?
  • que sentido podes atribuir a estes acontecimentos?
  • o que vais mudar desde já na tua atitude e nos teus comportamentos?
  • a quem deves agradecer no fim?

Este processo de autocrítica e reflexão tornou-se uma ferramenta essencial de resiliência e desenvolvimento para mim ao longo deste ano. Não só porque me ajudou a focar nos ganhos em vez de pensar nas perdas, mas também porque me ajudou a perceber as perdas como uma parte do meu processo de crescimento como ser humano.

Das diversas dimensões da perda, a mais dolorosa é certamente a perda de pessoas. Neste tipo de situação, a perda corporiza-se desde logo na imediata desvinculação com a pessoa que nos dececionou. Curiosamente, alimentar uma torrente de sentimentos negativos e de ressentimento relativamente a essas pessoas é uma forma de manter a ligação, o vínculo a essas mesmas pessoas, só que de forma negativa. É uma forma de não as deixar partir da nossa vida, num ato de (muitas vezes) involuntária saudade de tempos que não voltarão. E é acima de tudo uma forma muito pouco saudável de gerir expetativas, emoções e relações.

Se não nos libertarmos dos sentimentos negativos eles irão impedir-nos de progredir, de aprender,  mantendo-nos presos numa armadilha auto-induzida que nos desfoca do que é verdadeiramente importante. Andar ressentido é caminho certo para uma espiral de improdutividade e irrelevância. Acreditem, eu já o experimentei 🙂

Por isto mesmo, a última pergunta da lista assume uma crucial importância, pois aquilo que eu aprendi com estas deceções foi que o melhor processo de superação e de cura para estas situações é precisamente conseguir estar grato a quem nos dececionou. Porquê? Porque aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes, como diz o ditado 🙂

Quando conseguimos aprender com base nas adversidades, tornando a deceção um degrau do nosso crescimento, perdoar a quem nos dececionou faz parte de um processo de regeneração emocional absolutamente essencial para sermos mais resilientes, para passarmos a ser portadores daquilo a que eu chamo uma “felicidade à prova de bala”.

É, no limite, a melhor forma de deixar partir da nossa vida aqueles que nos dececionaram.

Tal como a melhor recompensa está na dádiva, a melhor cura passa pelo perdão e pela prática da gratidão. E não é lamechice nem frase da moda: a ciência prova que isto é mesmo verdade…

… vamos experimentar?

Deixo-vos com um fabuloso vídeo da SoulPankake, que nos fala precisamente do poder da gratidão. Enjoy it 😉 … e façam o favor de ser felizes 🙂

A Mente que nos Move

1415478_593179397421597_692776808_oEscrevo este post para dar testemunho de uma das minhas mais recompensadoras experiências de 2013, que consistiu em dar uma palestra TED.

Para quem não conheça, as palestras TED tiveram início há 27 anos, juntando inovadores das áreas da Tecnologia, Entretenimento e Design. As TED Talks tansformaram-se  numa plataforma global de partilha de ideias e num ponto de ligação para a comunidade global de indivíduos que acreditam no poder das ideias que merecem ser divulgadas. TED convida os principais pensadores do Mundo a partilharem as suas ideias durante 18 minutos, tendo já incluído anónimos e personalidades como Bill Gates, Al Gore, Isabel Allende, Philippe Starck, Gordon Brown, Bill Clinton, Frank Gehry, Paul Simon, Sir Richard Branson, Bono, etc.

Os TEDx, um programa de eventos locais, foram criados pelo TED em 2009, com o objetivo de passar a mensagem de que as ideias merecem ser divulgadas. Estes eventos são totalmente preparados e coordenados de forma independente e têm o intuito de juntar pessoas para a partilha de experiencias de sucesso. Os eventos TEDx são organizados nas cidades de todo o mundo, tendo por base o lado humano e a inovação.

O convite para participar surgiu do meu bom amigo Pedro Coelho, dinamizador do TEDx Boavista, evento que foi lançado em 2012 no coração da cidade do Porto e no qual tive o privilégio de assistir praticamente da primeira fila. A experiência foi fabulosa e, em meu entender, a repetir no ano seguinte. O que eu não imaginava era que iria lá voltar em 2013 como orador 🙂 Se assistir foi um prazer, colaborar foi um privilégio! Obrigado, Pedro!

O mote deste ano no TEDx Boavista era “Move a Mente”, num claro desafio aos oradores para inspirar a plateia com ideias que movessem a nossa mente, que espelhassem o nosso poder criativo e que potenciassem o nosso potencial cerebral. E foi esse o desafio que eu procurei cumprir, com uma palestra intitulada “Mindbuddy: o cérebro como um companheiro de jornada”. O mote desta comunicação foi assim subordinado não ao que nos move a mente, mas sim à mente que nos move 😉

A mensagem que eu procurei passar nos 18 minutos que me estavam concedidos centrava-se no uso que podemos dar ao cérebro como facilitador das nossas performances ao longo da vida. Como imaginam, com um tema destes e a minha tradicional indisciplina, acabei por consumir o dobro do tempo, para desespero da equipa organizativa! 😉 Para me penitenciar, já me propus fazer parte da equipa de staff do evento de 2014, procurando compensar com trabalho árduo os 36 minutos de puro prazer que tive na edição de 2013 🙂

A minha intervenção passou assim por dar um testemunho na primeira pessoa de como usar técnicas muito simples para, por exemplo não agatalhar, ou seja, para não nos deixarmos dominar pelo stress de tal forma que nos vemos limitados a um potencial cerebral equivalente ao do nosso gato lá de casa (sem ofensa para todos os belos felinos que nos alegram os lares!). Sobre o tema do agatalhanço, já escrevi aliás um post detalhado, sob o título “Como (não) agatalhar a malta… ou a neurociência ao serviço da liderança!”. Para evitar o agatalhanço, descrevi brevemente uma técnica conhecida como Freeze Frame, que consiste numa técnica de projeção muito simples que nos permite em poucos segundos baixar os níveis de ansiedade e reduzir o ritmo cardíaco e a pressão arterial. Para quem queira treinar, explico brevemente na palestra como o fazer 😉

Para além desta técnica, explico outras técnicas simples, baseadas na observação ativa e visualização, como formas de “levar o cérebro ao ginásio”, melhorando os caminhos sinápticos que se reforçam com estas práticas de treino mental. Também apresento técnicas de treino como a técnica pre-mortem, que nos ajuda a revenir os imprevistos, tornando-os previstos.

A palestra termina com uma explicação breve de como podemos usar técnicas simples para desenvolvermos um estádio de felicidade que nos torne mais produtivos e resilientes. O essencial destas técnicas está desenvolvido em dois posts meus: “A felicidade como motor do talento” e “Gestão da Felicidade“.

Deixo-vos com o vídeo da minha palestra. Enjoy it 😉

Crónicas de Tempos Impossíveis III

IMG_05442013 vai ser seguramente para muitos de nós um dos anos mais duros e marcantes da nossa vida. Por boas e más razões certamente, porque mesmo num contexto em que se configura uma tempestade perfeita, como aquele que vivemos em Portugal, o que a vida nos ensina é que a mesma é sempre feita de coisas boas e más, mesmo que nós só prestemos atenção a uma das categorias.

Se eu quisesse colocar o chapéu do pessimista, recordar-me-ia certamente do que me custou abandonar um projecto empresarial onde coloquei mais de 4 anos de entusiasmo, esforço e trabalho… sim, sair da Alter Via não foi fácil. Mas foi uma grande lição de vida, pela resiliência que foi necessário ter, pelas competências de gestão e negociação que desenvolvi, pelo orgulho que tenho em não ter esquecido nenhum colaborador nem ter deixado nenhum membro da minha equipa desamparado.

Se eu quisesse colocar o chapéu do nostálgico, lembrar-me-ia do Sebastião, o meu felino lindo, companheiro de mais de uma década, que decidiu deixar-nos em Abril passado e seguir viagem para o paraíso dos felinos, mas que o fez com uma lealdade e amizade inesquecíveis, não querendo deixar de passar os seus últimos instantes nos nossos braços. Mas prefiro recordá-lo e homenageá-lo através das memórias que a mais nova felina lá de casa – a Diana – me desperta, com as suas brincadeiras e arranhadelas constantes.

Se eu quisesse colocar o chapéu do dramático lembrar-me-ia de outros entes queridos, que sofrem mais do que deviam e que persistem em permanecer por cá numa prova de supremo afecto e sacrifício por aqueles que amam. Mas prefiro recordar os momentos, mesmo que breves, em que os vejo sorrir.

Em contrapartida a estes chapéus, eu insisto em colocar o chapéu do optimista e do esperançoso. E por isso dou graças por estar exausto, a meio da mais violenta maratona lectiva que alguma vez tive na Católica Lisbon School, o que me fez recordar algo que eu já sabia: a alegria de partilhar o que sei e de tocar na vida dos outros é algo que me preenche de forma tão poderosa, que me faz transcender tão para lá dos limites corriqueiros, que atribui tanto significado à minha jornada neste mundo, que ser professor jamais será uma actividade opcional na minha vida. Não é negociável, pura e simplesmente 🙂

Como esperançoso militante que sou, prefiro celebrar hoje o pequeno feito de ter ajudado uma amiga a arranjar um emprego, após anos e anos a tentar. Pequeno feito para mim, que gostaria de conseguir ajudar um pouco mais as dezenas de pedidos de ajuda que me chegam todos os dias. Mas prefiro celebrar uma pequena vitória de cada vez. E saber que ela tinha tido ontem o seu primeiro dia de trabalho já me fez valer a pena todo o ano de 2013, apesar de ainda irmos a meio da jornada 🙂

Como optimista crónico que sou, não pude deixar de aceitar este mês o convite que os meus amigos João Paulo e Carlos me fizeram para me juntar a eles numa recente e muito fresca aventura empresarial: a Cranberry.

Apesar de ser um annus horribilis em termos de actividade económica, este é também um momento de oportunidades para quem queira arriscar e acredite no seu valor. Por outro lado, ao visitar o escritório da Cranberry, ainda a cheirar a novo, onde pululam profissionais jovens e menos jovens, oriundos dos mais diversos sectores de actividade, mas todos imbuídos de uma alegria, orgulho, boa-disposição e criatividade imparáveis, o único pensamento que me ocorreu foi: como é possível não integrar esta equipa?

E assim aqui estou, mais uma vez a trilhar novos caminhos, com um gosto imenso por esta enorme aventura que é viver 🙂

Deixo-vos com uma pequena peça de reportagem da TVI24 sobre o livro “GRH de A a Z“, da RH Editora, que tive o enorme privilégio de coordenar em conjunto com o meu grande amigo Augusto Lobato Neves, que lidera uma equipa também igualmente fantástica, que todos os anos marca o mundo dos recursos humanos, com publicações e eventos da maior qualidade. Enjoy it 😉

 

Crónicas de Tempos Impossíveis II

changeÉ impressionante como o tempo passa depressa quando a mudança nos acompanha de forma insistente.

Mesmo quando essa mudança implica dificuldades ou perdas, a sensação é a de que não temos nem sequer tempo de respirar, tantas são as solicitações, actividades, decisões, ou mesmo simples tarefas. O esforço de superar as dificuldades é compensado pelas pequenas conquistas e pelos pequenos afectos, e a isso me tenho agarrado nos momentos menos fáceis, em que a força parece faltar.

Para conseguir manter a minha vida organizada, tenho tido alguma ajuda digital, sem a qual não passo hoje. Como me tem ajudado bastante, passo a recomendar:

  1. Evernote: aplicação de gestão de notas, instala-se no smartphone, no tablet e no computador, e sincroniza todas as nossas notas entre dispositivos, guardando cópia na nuvem. A nota pode ser escrita, uma foto, um ficheiro, uma captura de página de internet (webclipper), enfim, o que nós quisermos capturar. Já não uso outra coisa para guardar informação solta ou para tomar apontamentos em reuniões 🙂
  2. Dropbox: a melhor versão de armazenamento digital de ficheiros na nuvem que conheço. Mais uma vez, instala-se no smartphone, no tablet e no computador, e sincroniza todos os nossos ficheiros entre dispositivos, guardando cópia na nuvem. A portabilidade levada ao extremo 😉
  3. Wunderlist: a melhor versão de gestão de tarefas do momento. Tal como os anteriores, instala-se no smartphone, no tablet e no computador, e sincroniza todas as nossas tarefas entre dispositivos, guardando cópia na nuvem. Acciona lembretes por notificação e por mail e a versão Pro, prestes a sair, vai permitir assignar tarefas a outras pessoas. Do melhor em termos de produtividade!
  4. YouSendIt: o melhor aplicativo para envio de ficheiros de grande dimensão. E imaginem: também ele se instala no smartphone, no tablet e no computador, e permite enviar todos os nossos ficheiros por FTP, libertando peso do tráfego por mail. A portabilidade levada ao máximo da leveza 😉
  5. Harvest: a melhor versão de gestão de tempo do momento. Tal como os anteriores, instala-se no smartphone, no tablet e no computador, e sincroniza todas as nossas timesheets entre dispositivos, guardando cópia na nuvem. E tudo isto em segundos, sem roubar tempo!
  6. Mail Pilot: ainda só em versão para iPhone e iPad, este aplicativo gere os nossos mails como se fossem to-dos, permitindo “arrumar” a inbox em função de listas, de tarefas completadas ou por completar, remeter mails para datas de revisão especificas, etc. A primeira versão estava muito instável, mas o update que saiu hoje já resolveu boa parte dos problemas. Infelizmente, ainda não integra todas as contas Exchange ou POP, uma vez que a lógica inicial foi integrar contas IMAP. Ainda assim é uma grande ajuda!
  7. Podio: por fim, a menina dos olhos do trabalho digital, o verdadeiro Nirvana do trabalho colaborativo. Imaginem uma intranet só vossa, que funciona como se fosse uma rede social e para a qual podem convidar as pessoas com quem querem interagir. Isto pode servir para trabalhar em equipas de projecto remotamente, para criar intranets de pequenas empresas, para ter um espaço de aprendizagem e colaboração online no âmbito de um curso, entre outras possibilidades! Para saberem mais, não deixem de ler a review feita pela Ana Neves do portal KMOL!

Aproveito ainda este post para vos dar uma novidade: este mês deixei de fazer parte do Conselho de Administração da Alter Via.

Após quatro anos de intenso trabalho, felizmente muito bem sucedido, decidi que era hora de virar uma página na minha vida.

Não me arrependo nem de um segundo passado na Alter Via. Foi aí que desenvolvi uma prática de consultoria a partir do zero, que desenvolveu projectos vencedores de Norte a Sul do país nos mais diversos sectores de actividade. Foram quatro anos de intensa aprendizagem, mobilizando mais de uma dezena de profissionais e gerando sempre resultados líquidos positivos 🙂 A todos com quem tive o privilégio de colaborar e aprender, o meu sentido bem-hajam!

Decidi que era hora de criar um projecto novo, algo que pudesse nascer de uma ideia original minha, logo era hora de sair da “incubadora” 😉

Por enquanto, tenho estado concentrado a dar aulas (este trimestre leccionei algumas das minhas melhores aulas de sempre, o que me “lavou a alma” e me deu forças para a mudança).

Para além das aulas, estou a “sprintar” para acabar de redigir a tese de doutoramento (está quase, está quase!).

No fim do mês sigo em missão para a minha saudosa Angola (que saudade do calorzinho de Luanda!) 🙂

… e depois veremos que novidades me esperam 😉 os meus leitores serão certamente dos primeiros a saber!

Até breve!

Angola profunda

Planalto da Lunda
Instantâneo tirado a caminho da Catoca

Escrevo este post no planalto da Lunda, mais concretamente no complexo da Sociedade Mineira da Catoca, uma diamantífera próxima da localidade de Saurimo, perto da fronteira nordeste de Angola.

Chegar cá foi uma verdadeira jornada, num total de nove horas de avião, três escalas e muito espírito aventureiro à mistura com alegria e boa disposição, tão típicos deste grande povo angolano, que tão bem me recebe sempre que venho cá em missão!
Esta é a primeira vez que venho a Angola e saio do perímetro metropolitano de Luanda. Apesar de continuar a viajar em missão de trabalho, esta viagem ajudou-me a ver um pouco da Angola profunda, que não se vê em Luanda.
Quem conhece Luanda sabe que é uma imensa metrópole, sobrepopulada, que alia à sua beleza típica da zona histórica e da baía o preço da centralidade: tráfego infernal, grande agitação, a par com um ritmo de desenvolvimento avassalador.
Saindo de Luanda, continuamos a observar uma nação com uma dinâmica de crescimento impressionante, mas ajustada a um ritmo de vida mais tranquilo, apesar de alegre e animado.
Pude observar grandes extensões de paisagem natural de imensa beleza, tive um vislumbre de pequenas aldeolas feitas de cubatas tradicionais, vi crianças a brincar alegremente ao ar livre, mas também vi (muitas) mulheres a lavar roupa num riacho, fruto de um desenvolvimento que ainda tem muito para dar às populações do interior.
Conheci Saurimo, uma pequena cidade, bonita e bem conservada, exemplo de como se pode ter um estilo de vida mais pacato sem que isso signifique menos desenvolvimento. E estou presentemente a conhecer um potentado da indústria mineira, fruto de um consórcio entre quatro grandes empresas multinacionais, de origens tão diversas como Angola, Rússia ou Brasil.
É impressionante constatar como uma unidade industrial que não se limita a explorar o seu negócio se pode tornar um motor de desenvolvimento para uma região inteira. A Catoca, para além de dar emprego à população local, tem projectos inovadores ao nivel ambiental, nomeadamente no que diz respeito ao tratamento de água, contribuindo para a melhoria do nível de vida da população.
Mas não se fica por aí. Tive oportunidade de ver, a caminho de cá, algumas das diversas escolas primárias construídas e oferecidas pela Catoca às localidades circundantes, contribuindo assim para a formação de mais de 2000 crianças na região.
Notável é também o esforço e o investimento colocado na formação e qualificação dos seus quadros, razão aliás que me trouxe a este fantástico ponto do mundo. Nos próximos dias irei ter oportunidade de conhecer melhor a fibra desta gente notável que, aqui no meio do planalto da Lunda, constrói o futuro todos os dias. Estou certo que vai ser emocionante 😉

Negativismo: o cancro que nos consome

Surge este post da leitura de um breve mas inspirador artigo de opinião do Carlos Coelho no ionline, intitulado “Acordar as marcas de Portugal“.

O artigo é um apelo a que todos nós deixemos de olhar o país de forma negativa, criando assim as pré-condições essenciais para fazer da marca Portugal uma marca apelativa e percepcionada como de elevado valor acrescentado.

Além de ser um apelo cheio de bom-senso, muito apropriado aos momentos que vivemos, a verdade é que o Carlos nos relembra que em grande parte o fraco valor deste país deriva da falta de atenção (nem reparamos nas coisas boas que temos) ou da falta de criatividade (não gastamos um minuto a pensar como tirar mais valor daquilo que temos para oferecer) ou ainda da falta de empreendedorismo (temos um medo do risco que nos pelamos e não trocamos o certo – mesmo que medíocre – pelo incerto – mesmo que com grande potencial!!!).

A lição assim torna-se simples e poderosamente clara:

  1. temos de caminhar de olhos abertos, atentos às oportunidades;
  2. temos de ter a mente aberta a novas ideias e formas de fazer as coisas, atrevendo-nos a “pensar fora do quadrado“;
  3. temos de ter a coragem de arriscar e desbravar novos caminhos, com um mindset de empresário e não de funcionário.

Obrigado Carlos, por nos recordares isto 🙂

Todavia, há uma outra dimensão que vale a pena ter em conta: no artigo do Carlos Coelho, podemos ler alguns comentários, do qual destaco um particularmente azedo, que, redigido de forma ofensiva e malcriada, deita abaixo o artigo de forma perfeitamente negativista e ausente de argumentação!

Este comentário reflecte, na minha opinião, um cancro que nos consome enquanto povo e enquanto nação: o negativismo!

E o que é o negativismo?

  • É o nosso pior lado, traduzido na propensão para a crítica gratuita e infundada, apenas porque é mais fácil dizer mal do que pensar nos assuntos e debatê-los com elevação e informação;
  • É a expressão da mediocridade vigente, que nos faz dizer mal dos alvos fáceis (políticos, empresários, polícias e genericamente toda a gente que ganha mais do que nós, tem mais estatuto do que nós ou tem alguma espécie de mérito!);
  • É a expressão da inveja e da pequenez intelectual, resultado de um país de “pobrezinhos mas honrados”, directos herdeiros de 50 anos de ignorância, iliteracia e ditadura!

É certo que a herança cultural é pesada (cf. o meu artigo “A Pesada Herança de Roma“), mas isso não é desculpa para teimarmos nesta atitude!

A todos os que partilham esta atitude recomendo: façam o favor de trabalhar e fazer pela vida! Façam o favor de gastar menos energia a dizer mal e comecem a procurar ter algum tipo de mérito!

Experimentem abrir uma empresa e assumir a responsabilidade de criar emprego e pagar salários: vão ver que deixam de ter tempo para gerar tanto fel e passam a ter uma vida mais útil e positiva!

Sugiro aos negativistas pululantes que espreitem este post sobre o José Mourinho: isto ilustra bem como deveríamos aspirar a ser, em vez de dizer mal do homem 🙂 !!!

Votos de boa reflexão!