Surge este post da leitura de um genial artigo de opinião do Francesco Alberoni, intitulado “Para nos mantermos sempre jovens temos de abrir o coração e a mente“.

Nesta brilhante peça, o autor relembra algumas verdades essenciais da vida, elencando de forma sistemática como se pode envelhecer com talento.

Envelhecer é um tema pouco popular nas sociedades modernas, que cultivam a “eterna juventude”, o hedonismo fácil e o culto do corpo perfeito.

A palavra “velho” é vista como depreciativa, e o tema envelhecer é sistematicamente conversado como se fosse uma antecâmara de uma qualquer situação depressiva. Muito provavelmente porque se encara o envelhecimento como um processo de degeneração, uma “caminhada para o fim”.

Ora bem, é nestas alturas que me recordo de uma frase que um tio meu usava: “envelhecer é a única maneira conhecida até hoje de viver muito tempo”.

Pois é, esta é uma velha e sábia verdade que permanece actual, sendo que o mais importante da mesma é a palavra viver.

Alberoni refere no seu artigo que envelhecer é evoluir. Nada mais certo. E por isso mesmo não tem de ser uma coisa má. Apenas a vemos assim porque nos agarramos ao passado, a uma imagem de perfeição da juventude e nos recusamos a lidar com as transformações que vamos vivendo.

Na verdade, à medida que envelhecemos, ganhamos experiência e sabedoria, ganhamos serenidade e distanciamento, o que nos permite por exemplo tomar melhores decisões em menos tempo ou aprender com maior facilidade, uma vez que ancoramos as novas aprendizagens no conhecimento até então acumulado.

É por isso que voltar à escola já com alguns cabelos brancos pode ser uma aventura emocionante, como já testemunhou entusiasticamente o meu amigo Pedro Rebelo, que após ceder às solicitações dos chatos dos amigos (entre os quais eu), lá voltou à universidade para acabar a licenciatura e está a gostar (e muito!). Eis um bom exemplo de como se pode envelhecer/evoluir com talento 😉

Mesmo a natural diminuição de velocidade com que as nossas sinapses neuronais processam a informação pode ser compensada com a acumulação de experiência: a isso chamamos estratégias de compensação. Recordo-me a propósito da história do famoso pianista que, querendo continuar a tocar apesar da sua avançada idade, adoptou a estratégia de reduzir o seu reportório a meia dúzia de peças, as quais praticava religiosamente todos os dias e as quais tocava num compasso imperceptivelmente mais lento do que era suposto. Com esta estratégia de compensação, tocou até ao fim da sua proveitosa vida.

Isto implica a sensatez de perceber os nossos limites mas também a ousadia de aceitar as nossas potencialidades. Ao acreditarmos que somos capazes de ir mais longe estamos a “exercitar-nos” nas nossas capacidades de realização, o que aumenta a nossa potencial longevidade funcional.

Por isso devemos envelhecer cultivando algumas características que temos desde crianças: a curiosidade, a alegria da descoberta e da aprendizagem, a abertura de espírito, o gosto pelos relacionamentos e o bom humor.

No fim do dia, todos eles são condimentos do talento…

Nos últimos tempos tenho participado em vários almoços e jantares de convívio entre velhos colegas de escola ou de associativismo estudantil. Revemos caras que não víamos há mais de 20 anos e espantamo-nos como o tempo passou depressa.

Curiosamente… achei imensamente divertido! De facto, dou por mim a constatar que envelheço com alegria, pois acumulo muitas histórias para contar e sinto que hoje sou uma pessoa melhor que fui no passado.

Saber assim envelhecer com um espírito jovem é um privilégio do qual não deveríamos abdicar: acreditem que é muito gratificante e produtivo.

São muitos os exemplos em que nos poderemos inspirar para envelhecer com talento:

  1. Entre os já desaparecidos, gostaria de destacar exemplos como os de Carl Sagan, Albert Einstein, Raul Solnado ou Vasco Granja;
  2. Entre os que ainda estão connosco, ocorrem-me nomes como os do incansável Mário Soares (com as suas sonecas), Manuel de Oliveira, Adriano Moreira, Mário Murteira ou a sempre alegre e dinâmica Márcia Trigo (para mais exemplos cf. meu post “O Talento não tem Idade“)

Não quero por fim deixar de referir os meus mais importantes exemplos: os meus pais. Com uma idade já avançada, ainda namoram com alegria e ainda permanecem curiosos e interessados face ao mundo, apesar das contrariedades da idade. Vivem a vida com alegria e com os olhos sempre postos no futuro. São sem dúvida os meus “heróis de todos os dias”.

Saibamos ser assim ao longo do tempo;-)

Votos de boa reflexão!

Advertisements

6 thoughts on “Envelhecer com Talento

  1. Caro Ricardo,

    mais um “artigo” inspirado e inspirador!!

    Não podia estar mais de acordo contigo nesta tua reflexão. Um tema importante é o do papel dos media na “venda” da imagem perfeita o do que é necessário para a alcançar. enfim ….

    Por outro lado há a realçar a “fragilidade” e consequentemente e receptividade do comum dos mortais a tais solicitações!

    Bom, obrigado pelo tema sugestivo e vamos combinar um almoço!!

    abraço,

  2. Amigo Miguel: é bem verdade! A responsabilidade cívica e social dos media e “opinion makers” é muito grande.

    É por isso que nestes tempos da web 2.0 temos a oportunidade única de ajudar a inverter a tendência!

    Vamos a esse almoço! Depois da Páscoa?

    Abraços,

    Ricardo

  3. Ricardo, posts sempre cheios de verdades dando por mim a soltar pelo menos uma gargalhada de boa-disposição e constatação perspicaz de factos 🙂 Dos ilustres que dizes só tenho pena realmente de Carls Sagan não ter tido tanto tempo para envelhecer como os outros… 😦

    Grande Abraço!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s