Ando já há algum tempo para escrever este post, mas a crise não me tem deixado ter tempo para isso.

É verdade: o principal efeito da crise é estar cheio de trabalho, razão pela qual já não postava no Mentes Brilhantes há mais de mês e meio!

A ajudar a isto está a natureza das minhas duas profissões:

  • consultor – alguém que ajuda pessoas e organizações a resolver problemas e a desenvolverem-se;
  • professor (universitário) – alguém que ajuda profissionais a desenvolverem-se através da aquisição de novos conhecimentos e perspectivas;

Sim, sem dúvida que estas são actividades profissionais que podem transformar a crise num manancial de oportunidades, mas não são, por definição, à prova de crise!

Então o que pode levar-nos a estar imunes à crise actual? Na minha perspectiva, a receita para um bom “sistema imunitário” passa por:

  1. Capacidade de reinventar constantemente a nossa proposta de valor, ou seja, de perceber o que está a mudar no mercado em que estamos, o que os nossos “clientes” procuram (sejam mesmo clientes ou potenciais empregadores), e como podemos satisfazer as suas necessidades (de forma original, apelativa e mais flexível/competitiva). Diz-me a experiência recente que, no seio desta crise, há dois tipos de pessoas: i) as que se queixam da situação e que ficam à espera que passe; ii) as que já lutavam para ser competitivas antes da cris e e que ainda não tiveram tempo de dar por ela;
  2. Elevadíssimo rigor na gestão do negócio – seja ele negócio próprio ou gerido por mandato de terceiros. Isto não se deve confundir com “febre de redução de custos”, que tem levado muitas organizações à anorexia organizacional. Mas significa que só devemos criar custos com a garantia firme de geração de proveitos. Em caso de dúvida, deveremos ter a imaginação de desenhar modelos de trabalho suficientemente flexíveis para que o risco operacional seja partilhado por todos os intervenientes na cadeia de valor;
  3. Obsessão pela qualificação, aprendizagem, actualização e informação – ou seja, garantir que estamos sempre na posse do conhecimento indispensável para que possamos continuar a ser excelentes e a inovar;
  4. Profissionalismo na gestão da marca – seja ela corporativa ou pessoal, a nossa marca, o nosso prestígio e a nossa reputação são o nosso valor percebido no mercado. Devemos cuidar dela com tanto ou mais cuidado com que cuidaríamos de um bonsai… pois sem ela não teremos procura para a nossa oferta (pelo menos de forma consistente e sustentada);
  5. Optimismo e energia positiva – ou seja, acreditar na nossa proposta de valor, e transmitir essa crença à nossa equipa e aos nossos clientes, criando um efeito de “contágio positivo” que alavanca de forma determinante a produtividade profissional e a dinâmica comercial.

Esta tem sido a receita que tenho aplicado, e que tem feito de 2010 um ano excelente em termos profissionais.

Sei que muitos terão tido a infelicidade de perder o seu emprego. A esses, acrescentaria um sexto princípio: nunca parar! Façam coisas, mesmo que isso implique actividade não remunerada!

A inactividade é uma espiral descendente e depressiva da qual é muito difícil sair. Façam voluntariado, abram um pequeno negócio (mesmo que seja apenas para enquadrar com uma “marca” a vossa actividade como profissionais independentes), mas nunca, nunca fiquem parados: não fica bem no CV e não faz bem à auto-estima 😉

Descubram o vosso talento e apliquem-no, seja ele qual for. A probabilidade de termos sucesso a fazer o que gostamos é grande, pois tendemos a ser melhores a fazer aquilo que gostamos (e esta recomendação vale para todos).

A crise não está aí para todos: apenas para quem desiste…

Votos de boa reflexão e toca a partir para a luta: nada como uma boa crise para distinguir (a bold) os competentes e talentosos!

Sobre este tema deixo-vos dois artigos inspiradores:

Cultivar talentos na crise

As dificuldades da gestão de talentos em épocas de crise

7 thoughts on “Nós e a Crise – I

  1. Ricardo,

    Obrigado por ter partilhado este post. Gostei muito da sua receita para se sobreviver à crise é orientadora e motivadora.

    As maiores felicidades e continuação de bom trabalho!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s