Eventos, Factos, Reflexões, Trends

A Res Publica vista por um empresário

Surge-me este post por ocasião da tomada de posse ontem do XIX Governo, que marca seguramente um virar de página nos destinos do nosso país.

É curioso constatar como a nossa forma de ver o mundo muda conforme as nossas circunstâncias e vivências…

Até há dois anos atrás, quando na minha actividade profissional eu me limitava a trabalhar para alguém e esperar um ordenado ao fim do mês, lembro-me que olhava para as eleições como olha um adepto de um clube de futebol para um “derby”: basicamente, torcemos pelo nosso “favorito” e tudo o que de mal aconteça é culpa do adversário ou do árbitro 😉

Dei por mim a mudar radicalmente a minha perspectiva sobre a condução dos destinos da nossa Res Publica quando me tornei empresário. De facto, a responsabilidade de desenvolver um negócio, de gerar receitas, de gerar emprego, de fazer boas transacções e de pagar salários fez com que deixasse de olhar para as eleições como um simples membro de uma claque…

Para mim, mais importante que ganhar o meu “favorito”, o que se tornou absolutamente prioritário é que das eleições saiam soluções governativas estáveis, que durem uma legislatura e que permitam que a economia funcione.

Sejamos claros: não advogo o absoluto pragmatismo tecnocrático dos executivos, devidamente liofilizados numa solução governativa “apolítica”! Isso não existe e todos nós temos preocupações e preferências que devem justificar a opção que se traduz no nosso voto. Sempre votei em consciência e confesso que não entendo quem se queixa da vida e nunca votou, ou quem se abstém de escolher, votando em branco…

Todavia, após a expressão de liberdade que é a opção por via do voto, aquilo que para mim é importante é que o país funcione, e que haja condições para que nos deixem trabalhar.

Ao longo dos últimos tempos, confesso que sentia que Portugal estava semi-esquizofrénico… na verdade, via um país nos noticiários que podia ser definido pela palavra “desastre”, tal era o turbilhão de notícias sobre a crise e as ameaças que pairavam sobre nós. Por outro lado, sempre que saía à rua, encontrava um país diferente: o país de quem continuou a trabalhar, com a serenidade possível, garantindo que tudo continuava a funcionar da melhor forma.

É pois desse país que falo: daqueles que, todos os dias, usam o seu talento para fazer cumprir Portugal. E repito: agora deixem-nos trabalhar!

Não quero deixar de dar aqui uma nota de apreço e esperança relativamente ao novo elenco governativo. Confesso foi uma agradável surpresa por:

  1. Ser um governo de caras novas”, que potencia um refrescamento na forma de fazer política e de olhar os problemas;
  2. Ser um governo com uma média etária surpreendentemente nova, que potencialmente quebra com a tradição de um certo “carreirismo político”;
  3. Ser um governo com uma boa dose de “estrangeirados”, que trazem mundo à governação;
  4. Ser um governo com uma boa dose de independentes, que trazem espírito crítico à governação;
  5. Ser um governo pequeno, que é um exemplo virtuoso e que encoraja a eficácia.

Quero destacar do elenco governativo dois nomes, que me parecem bons exemplos do que pode ser esta mudança de ciclo:

  • Nuno Crato – um dos nomes mais conceituados da nossa Ciência, Nuno Crato é um democratizador da Matemática em Portugal, um divulgador de ciência e um acérrimo defensor do mérito. Dele podemos esperar o melhor para a Educação e Ciência;
  • Paulo Macedo – gestor de renome, que tive o privilégio de conhecer no Millennium BCP, foi talvez o Director Geral dos Impostos mais competente que Portugal já teve. Ninguém melhor para profissionalizar uma área como a Saúde, que precisa de ser eficiente sem deixar de cumprir a sua imprescindível missão.

Resta-me desejar que este Governo tenha a melhor sorte possível, a bem de Portugal. Independentemente das minhas opções pessoais, estes seriam sempre os meus votos enquanto empresário português.

Votos de bom trabalho! 😉

Advertisement
Eventos, Factos, Recomendações, Trends

Bologna for Students

Para fechar bem a semana, mais uma história do que se faz bem em Portugal: o Bologna for Students.

O Bologna for Students é um software de gestão para estudantes, inspirado na Reforma de Bolonha, que aplica os conceitos básicos de gestão à vida universitária: gerir o desenvolvimento de competências, o tempo, organizar tarefas e responder às exigências de Bolonha nas universidades.

Este é um software 100% português, desenvolvido pela Innovation Point, uma start-up tecnológica de Braga. O projecto começou em 2007, e envolveu uma equipa de docentes universitários, coordenada pelo Professor José Mendes, da Universidade do Minho.

O B4S é um software gratuito, financiado por publicidade embutida na aplicação, uma vez que o seu público-alvo (estudantes) não está vocacionado para pagar pelo software que usa. Os mais de 2500 downloads do software só em 2009 confirmam que esta já é uma aposta ganha.

Parabéns ao Bologna for Students!

Deixo-vos um breve vídeo de apresentação do B4S. Enjoy it 😉 !

Eventos, Factos, Trends

Portugal no seu melhor!

Continuando a onda positiva com que quis abrir o ano de 2010,  quero partilhar convosco dois casos do que se faz de melhor no nosso país, e que provam que as novas gerações são muito mais prometedoras do que alguns arautos da desgraça nos querem fazer crer!

Deixem-me falar-vos primeiro da Liliana Fernandes: esta jovem de 28 anos mudou-se há um ano para Fontainebleau, para fazer o MBA do INSEAD. Nesse âmbito desenvolveu um projecto empresarial na área das telecomunicações, cuja qualidade a levou a conquistar o terceiro lugar no INSEAD Business Venture Competition, entre 480 alunos de todo o mundo (ver notícia).

A história da Liliana ilustra o perfil dos talentos do futuro: está recheada de ambição, cosmopolitismo e determinação.

Licenciou-se em Economia na Nova em 2003 e fez Erasmus na Holanda. Começou a carreira na Deloitte e em 2005 volta à universidade, para uma pós-graduação em Finanças. Em 2006 lança-se na sua “aventura global”, indo trabalhar para a Greenwich Consulting, Em Paris e Bruxelas. Em 2007 regressa a Portugal, indo para a KPMG e em 2009 vai então para Fontainebleau, para o MBA do INSEAD.

A partir de agora, a Liliana integra a lista de honra dos alumni de uma das mais prestigiadas business shools do mundo. Parabéns, Liliana!

O outro caso que vos trago é o da Margarida Melo, jovem investigadora e docente portuguesa da Universidade de Coimbra que, com apenas 29 anos, ganhou o Prémio Michelle Cuozzo, da Università degli Studi di Roma (ver notícia).

Margarida Melo desenvolveu a sua tese de doutoramento na área da Geometria Algébrica, tendo desenvolvido uma aplicação informática para reforçar a segurança de comunicações encriptadas.

O prémio, que  atinge um valor de 12 mil euros, visa recompensar o trabalho desta investigadora que, desde há 4 anos, reforça a equipa do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Parabéns, Margarida!

Desafios, Eventos, Trends

Fundação Talento: construir o futuro de Portugal

Estive ontem no jantar de lançamento da Fundação Talento em Lisboa. Foi um prazer e uma honra fazer parte desta iniciativa, um verdadeiro movimento da sociedade civil ao serviço do futuro de Portugal.

Antes de mais quero deixar uma palavra de apreço e admiração para o meu amigo Tiago Forjaz, um dos maiores visionários da minha geração, que ousa sonhar em grande e que se atreve a ser consequente, empreendendo.

O Tiago teve um sonho: fazer do talento a força motriz da competitividade do nosso país. Contra todos os “velhos do Restelo”, contra todas as adversidades, o Tiago tem vindo a construir este sonho nos últimos anos:

  • Primeiro com a iniciativa Star Tracking – a Odisseia do Talento, uma já lendária jornada pela diáspora em que descobriu o imenso talento português espalhado pelo mundo;
  • Depois criando a rede The Star Tracker – a mais inovadora e exclusiva das redes sociais e globais de talento português, com o propósito de ligar o talento espalhado pelo mundo, que ontem já congregava mais de 31.000 membros e, a partir de hoje, sabe-se lá quantos mais (sim: finalmente já podemos convidar talento sem restrições numéricas!);
  • Agora lançando a Fundação Talento, cuja missão é descobrir e apoiar o talento português, transformando-o na nossa imagem de marca no mundo.

Os trabalhos ainda agora começaram: os mais de 600 fundadores que se juntaram em 15 cidades do mundo já contribuíram com centenas de referenciações de talentos a apoiar e de talentos a convidar para Senadores da Fundação.

Mas este esforço de mapeamento agora é global: toda a sociedade civil pode participar!

Por isso, meus amigos, vamos a isso! A Fundação Talento precisa do vosso contributo!

Ao Tiago o meu grande abraço: parabéns pela iniciativa e continua a sonhar! Só assim construímos o Portugal dos nossos filhos…

Deixo-vos com alguns vídeos relacionados com o tema.

Enjoy it 😉

Eventos, Factos, Recomendações, Trends

Ainda sobre optimismo: Flash Mob no Aeroporto da Portela

Não resisti a partilhar um vídeo que me foi simpaticamente enviado pela Ana Santos, do ONRH, sobre a Flash Mob no Aeroporto da Portela.

A publicidade viral está na moda, sendo um dos sub-produtos mais potentes da Web 2.0, e as Flash Mobs são uma das suas variantes mais interessantes e galvanizadoras, onde um grupo de pessoas surge subitamente do meio da multidão, executando uma performance ao vivo para um público aleatório, nos locais mais inesperados.

A TAP aproveitou muito bem a época natalícia para experimentar este tipo de publicidade, e este vídeo que convosco partilho é  já um dos mais vistos pelo público português na Internet.

Como bem diz a Ana Santos, este é “um vídeo que representa um verdadeiro incentivo ao optimismo, ao dinamismo, à inovação e à mudança.” … nem mais!

Obrigado, Ana, pela partilha!

Enjoy it 🙂

Eventos, Recomendações

EXPAT – Intensive Seminar for Expatriates

suitcaseA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica Portuguesa acaba de lançar um novo programa para executivos de carácter absolutamente inovador em Portugal.

O EXPAT é um seminário intensivo de 3 dias para preparação de expatriados, em que os participantes tomarão contacto com as melhores ferramentas e técnicas de gestão do desafio internacional que a expatriação representa.

Leccionado por reputados docentes e quadros empresariais, o EXPAT  ajuda a dar resposta aos desafios da internacionalização que as empresas portuguesas enfrentam, proporcionando ainda a quem o frequenta o contacto com um conjunto de quadros de topo com experiência de internacionalização, transformando estes 3 dias numa vivência poderosa de preparação para a mudança de vida que representa um assignment no estrangeiro.

Tendo eu o gosto de coordenar o programa, conto cruzar-me com alguns de vós lá 🙂

Não deixem de consultar os testemunhos  sobre o programa.

See you 😉

Eventos, Reflexões, Trends

O paradigma do mundo em rede

teamwork_handsReli há uns dias um excelente artigo de opinião do António Vidigal, que foi publicado em tempos no DE com o título “Um Mundo em Rede” infelizmente já não disponível online).

Nesse artigo, o António Vidigal dava alguns exemplos de como as redes sociais podem alavancar novos modelos de negócio, baseados na cooperação e na co-criação.

Um dos exemplos mais poderosos nasce de um evento desportivo global – a Volvo Ocean Race -, ou seja uma regata épica à volta do mundo. Apesar de ser um evento global que se estende por mais de 9 meses e 37.000 milhas, os envolvidos são sempre em número restrito (tripulações e aficionados). Para envolver um número mais alargado de pessoas, os organizadores criaram o Volvo Ocean Race Game: uma regata virtual que já envolveu mais de 200.000 participantes por todo o mundo!

O potencial de data mining que 200.000 inscritos (e respectivos endereços de mail) representam é apenas a vantagem mais óbvia da qual os organizadores beneficiam, entre muitas mais que justificam a organização de um evento na web 2.0 que aproveita a tendência gregária que os seres inteligentes têm: eles funcionam melhor ligados, em interacção e em comunidade (desde que haja percepção de ganhos mútuos, claro!).

Outro exemplo ainda mais significativo é o da Verizon, uma empresa de comunicações americana que desenvolveu um conjunto de fóruns para que os seus clientes trocassem entre eles um conjunto de informações sobre os seus produtos, num verdadeiro espírito de entreajuda.

Daí nasce o célebre caso de Justin McMurry, um reformado da IBM, de 68 anos de idade, que passa em média 20 horas por semana a ajudar outros clientes da Verizon, ganhando com isso… zero dólares!

… sim, leram bem: ele faz isso de graça! E porquê? Pelo reconhecimento dos seus pares, pela utilidade percebida do seu contributo, pelo sentido que esta actividade dá à sua vida numa fase pós-profissional (logo, há uma percepção de ganho para o Justin, e um ganho efectivo para a Verizon, que criou uma comunidade de prática dinâmica, tendo tido apenas o custo de criar a plataforma de partilha!). Vejam como uma empresa “tipo ZON” consegue envolver os seus clientes no negócio, extraindo deles um volume de conhecimento tácito de valor talvez incalculável…

O que é isto? Focus no cliente e fidelização, gestão do conhecimento e inovação colaborativa.

Deixo-vos com um vídeo muito engraçado, ilustrativo de como funcionam as redes sociais.

Enjoy it 😉

Eventos, Recomendações

Cirque du Soleil: blue ocean talent strategy

cirque_du_soleilFui o mês passado ver o Cirque du Soleil, que nos trouxe este ano o espectáculo Varekai.

Gostei de tal forma do que vi, ouvi e senti que não resisti: quinze dias mais tarde estava lá de novo, desta vez com o meu filhote mais velho, o Afonso. Achei que seria uma pena se ele perdesse a oportunidade de assistir a uma combinação tão poderosa de talento, beleza, arte, estética, traduzidos num melting pot experiencial que transformou completamente a arte circense no mundo.

Confirmei que estava certo: o Afonso hoje é fã do Cirque du Soleil e eu acabei por ajudar mais um pouco a apurar o seu sentido estético e a sua educação artística. Valeu a pena repetir a experiência, até porque o dinheiro gasto foi amplamente compensado pelo prazer da fruição estética e sensorial.

Também na perspectiva da gestão do talento o Cirque du Soleil é um caso excepcional, por várias ordens de razões:

Deixo-vos por fim com alguns vídeos do espectáculo Varekai. Enjoy it 🙂 !

Eventos, Factos, Trends

Mentes Brilhantes em Luanda

luandaO Mentes Brilhantes mudou-se temporariamente para a fantástica cidade de Luanda. Com grande pena minha, é só até ao final da semana.

É sempre um prazer voltar a esta metrópole quente e cosmopolita, onde a actividade é fervilhante e o progresso um espectáculo em todo o seu esplendor.

Esperava ver sinais de abrandamento económico, tendo em conta a baixa do preço do petróleo e os sinais dados pelo governo de Angola para haver contenção… todavia tal ainda não se verifica no pulsar da cidade, que continua pujante de actividade económica.

De facto, desde Novembro passado, altura em que cá estive, não se notam grandes diferenças, a não ser no crescimento das infraestruturas (estradas, habitação, tecnologia, turismo, equipamwntos de saúde e lazer, etc.), a par com a natural evolução social de um país em franco crescimento e em plena aprendizagem do que significa prosperar em paz.

O tema do momento hoje foi a entrada em vigor do novo Código da Estrada, que obriga ao uso de cintos de segurança nos lugares traseiros dos veículos. Tal verifica-se francamente complicado num parque automóvel em que grande percentagem dos veículos não tem os ditos cintos de série…

Começo amanhã uma longa jornada de formação a quadros de uma construtora fortemente implantada na região, naquela que é a terceira contribuição que dou ao desenvolvimento deste país que tão bem me acolheu. Espero voltar mais  vezes este ano, pois o ambiente que se vive aqui é bem mais entusiasmante e optimista que aquele que se vive na velha Europa 🙂

Isso de resto pode-se confirmar pelo afluxo de expatriados a Luanda. No meu vôo falava-se mais de dez línguas diferentes, e o número de angolanos é cada vez menos expressivo nestes vôos. Segundo os últimos números divulgados, há mais de 100.000 portugueses em Angola e só o ano passado foram emitidos mais de 80.000 vistos pelo Consulado angolano em Lisboa. Basta ler a edição deste mês da Exame para percebermos o destaque dado a Angola, para onde têm migrado aliás as principais consultoras.

Luanda é hoje assim um destino económico incontornável, sinal dos tempos em que vivemos. Por isso mesmo, um dos temas que cada vez mais se coloca às empresas portuguesas é se estão devidamente preparadas para a sua inevitável internacionalização, e se dão a devida preparação e acolhimento aos seus expatriados. Mas sobre esse tema escreverei em post posterior.

Abraços e até breve!

Eventos, Recomendações

Blue Man Group: o talento pode ter várias cores!!!

blue-man-groupFui ontem ao Casino de Lisboa assistir a um espectáculo que se revelou uma surpresa inesperada (pela positiva, claro!): os Blue Man Group, no seu espectáculo “How To Be A Megastar”.

Este grupo, qu se caracteriza por incorporar três personagens principais que nunca revelam a sua face (os homens da cara azul), proporcionam aos espectadores uma verdadeira experiência artística, que conjuga música original (com instrumentos originais, em muitos casos), com música de diversos autores (com destaque para os The Who na fase final), numa homenagem ao rock e à sua iconografia, que se faz também através de registos de verdadeira stand-up comedy, numa espiral de situações em que se conjuga a performance em palco com o vídeo.

O resultado é absolutamente original e leva-nos a um estado de verdadeiro entusiasmo colectivo , que culmina com um grand finale em que todos (mas mesmo todos) acabamos por participar, levados pelo talento que cada um dos membros da equipa consegue transmitir de forma contagiosa.

Notas para os mais sensíveis: a) vão de mente aberta, pois o humor é inteligente e implica participação; b) prestem atenção, pois por vezes é nos pequenos detalhes que se apanham os momentos mais deliciosos; c) prestem atenção com todos os sentidos, pois a performance apela mesmo a todos eles; e d) preparem-se para um nível sonoro muitos decibéis acima do que estão habituados 🙂

Deixo-vos com um vídeo da performance dos Blue Man. Para quem queira ver mais vídeos, basta aceder aqui.

Enjoy it 😉